terça-feira, 14 de outubro de 2008

CABELOS BRANCOS

Há noites que nem merecem ser dormidas
como esta insignificante que passei
foram horas sem valor,...perdidas
mas que fazem parte da vida, eu sei.

A vida é maravilhosa, você vai dizer:
-Tá certo, concordo, mas às vezes enche o saco!

Que graça tem uma noite tão sozinho
sem ter absolutamente nada pra fazer
dormir sentindo a carência de um carinho
e acordar sem nem uma palavra pra escrever.

E ai você vem, de novo, com esse papo furado
-A vida é boa, vá em frente, hoje é um novo dia!

Mas a verdade é que eu já estou cansado
que até acho bobagem o teu conselho
às vezes eu até fico bastante irritado
quando acordo e me enxergo no espelho.

E lá vem você, intrometido, novamente!
-Não desanima, a vida é boa, tem coragem!

É, eu luto, para na existência acreditar
mesmo seguindo aos trancos e barrancos
mas não consigo ser feliz ao me olhar
e ver na cabeça estes meus cabelos brancos.

E ai você... - Não! cale-se!, não fale mais nada!
te recolhe e fica quetinho ai no meu interior!

RUI - Out/2008

Um comentário:

claudinha disse...

Meu doce e eterno amigo, que poema é este???
nossa!! forte, sincero, dramatico eu diria.

nem sei se digo algo ou fico em silêncio...rs

Amigo, ser sozinho nao é o problema né. Seu poema fala do fato da solidão
mesmo quando existem pessoas por perto,do fato de alguem ser infeliz.
Como faz falta um doce carinho, palavras ao vento, cheiro, pele.
Sei extamente o que é isto, não tenho os tais cabelos brancos, mas
me senti em seu poema, tem dia que não quero dormir, pois sei
que o alvorecer será sozinha e carente.

òtimo!!! Parabéns!!